Colunista

Isabel Cochlar

- Atualizado em

Conectar para existir e sonhar

Na concepção pós-moderna – que confunde cidadania e consumo – se fundamenta o novo propulsor […]

Na concepção pós-moderna – que confunde cidadania e consumo – se fundamenta o novo propulsor da irresignação social, que é a impossibilidade de acesso aos bens e serviços no que eles têm de mais básico. As classes emergentes, C e D, após conquistarem moradia estável, alimentação adequada e acesso irrestrito à informação pela profusão de telefones celulares e computadores, passaram a compartilhar do senso comum que o Estado  é incapaz de promover serviços básicos de educação, saúde e segurança.

Nesse panorama, a exploração nos termos marxistas deixou de ser o agente a despertar a consciência e a produzir as reformas, sendo substituída pela informação. E, até mesmo a informação, nos termos oficiais, foi substituída pela informação digital, forjada nos acontecimentos cotidianos que permitiram a difusão das condutas delitivas e vergonhosas dos governantes e do desespero dos que se veem sem saúde e segurança.

Independentemente das reformas que venham a produzir, as manifestações atuais serviram para garantir que o tão famigerado quarto poder não é a imprensa, até por que esta sempre esteve a serviço dos governantes. O quarto poder, na era digital, é o povo que não se deixa mais representar por quem lhe nega direitos, nem enganar por quem se beneficia pelo controle informativo.

Fato social sem precedentes no mundo, a informação, sem filtros, transmitida pela população e para a população fez acordar o gigante. Se ele terá força para modificar a institucionalização da corrupção; para determinar um novo agir e pensar político, fundamentado tanto na igualdade e na liberdade, como também na fraternidade; para nos forçar a fundarmos uma nova nação baseada em valores como honestidade e humanidade, exigindo uma representação política a altura é impossível antever. Mas o passo dado foi tão grande que já nos permite sonhar.

Comentários