seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

TV Justiça se consolida como canal de prestação de serviços

Perguntado se tinha saudades do Supremo Tribunal Federal, onde passou quase 30 anos, o ministro José Carlos Moreira Alves, que se aposentou em abril deste ano, sorrindo, respondeu: "Quando bate a saudade, ligo a TV Justiça e pronto."

Perguntado se tinha saudades do Supremo Tribunal Federal, onde passou quase 30 anos, o ministro José Carlos Moreira Alves, que se aposentou em abril deste ano, sorrindo, respondeu: “Quando bate a saudade, ligo a TV Justiça e pronto.”

Moreira Alves, um juiz brilhante e conservador, receava que a transmissão dos julgamentos do STF influenciasse a maneira de agir dos ministros. A bem da verdade, ele era contra. Mas hoje não se inibe em elogiar a emissora com entusiasmo. Esse dado, na gênese da TVJ é importante. Mesmo os mais céticos — quanto às possibilidades de uma emissora destinada a tratar de temas jurídicos tornar-se interessante — elogiam a iniciativa.

Entre as proezas desse canal da justiça está a de harmonizar a convivência da Magistratura, do Ministério Público e da Advocacia em um mesmo espaço sem que os antagonismos naturais que os separam impeçam essa co-habitação. Ainda que a TVJ não venha a ser uma mídia de massa, o que não é sua meta, seu destino como fomentadora da “tecnologia de ponta” do Direito está selado.

A TV Justiça — que se consolidou no meio jurídico como um canal de prestação de serviços — pode passar a ser transmitida em canal aberto. O STF já começou a tratar do assunto com o Ministério das Comunicações e com a Anatel. Atualmente, ela somente pode ser vista em TV por assinatura ou pela Internet. A TVJ deve começar aberta em Brasília e depois se expandir.

O STF já investiu cerca US$ 900 mil na TV Justiça desde 1997 quando foram adquiridos os primeiros equipamentos. A criação do canal do Judiciário foi sancionada pelo ministro Marco Aurélio de Mello no ano passado. Na ocasião, o ministro estava no exercício da Presidência da República enquanto o então presidente Fernando Henrique Cardoso viajava.

Lição de casa

Professores, ministros e advogados entrevistados pela revista Consultor Jurídico são unânimes: A TVJ aproxima o Judiciário e o cidadão e é útil para o trabalho jurídico. Um entusiasta da TVJ desde o seu início é o ministro Celso de Mello.

Sua definição é eloqüente. “A TVJ é um importante instrumento de controle social dos atos do Poder Judiciário porque expõe, de modo amplo, a própria intimidade do funcionamento dos tribunais. Notadamente do STF. Sob tal aspecto, a TVJ — cujos programas costumo assistir — constitui verdadeiro instrumento de legitimação das decisões emanadas do Poder Judiciário, pois, em se tratando de juízes e tribunais, não pode haver espaço qualquer reservado ao mistério, consoante assinalado por Norberto Bobbio em lúcida reflexão sobre a essência do regime democrático.”

Para Celso de Mello, foi fundamental a ação de seu colega Marco Aurélio, não só pela coragem e pelo arrojo de criar a TV, como pela sensibilidade de ter conduzido a linha editorial como “um espaço democrático de livre debate e reflexão dos grandes temas que afetam a vida do país”. Nesse papel, destaca Celso de Mello, foi importante o executivo escalado pelo então presidente do STF: o chefe do serviço de imprensa do Tribunal, Renato Parente, “um profissional empenhado nas tarefas que assume”.

Diferentemente das demais emissoras setorizadas, como a TV Senado e a TV Câmara, a TV do STF optou por compartilhar sua grade de programação com todos os setores da comunidade jurídica e não apenas com o noticiário da casa.

Os professores também aplaudem a iniciativa do STF. “A TV Justiça — assim como alguns canais americanos no estilo Court Television — presta inegável serviço não apenas para a comunidade jurídica, mas também para a sociedade em geral. Com programas, palestras, quadros, esquetes, notícias e comentários que remetem ao mundo legal, o canal é seguramente hoje o mais sólido meio de informação a todos que desejam conhecer um pouco mais do ordenamento jurídico brasileiro — leigos ou não”, afirmou o advogado especializado em Direito Autoral e CyberLaw, Nehemias Gueiros, professor da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro.

Para Gueiros, a TV Justiça repercute fortemente — em especial junto a um público bastante qualificado. A sua palestra — “O direito autoral na era digital” — foi exibida no canal do Judiciário no ano passado e reprisada algumas vezes. “A simples exibição me abriu contatos em nível nacional com estudantes, professores universitários, colegas advogados, juízes e leigos interessados nos meandros do direito autoral e do direito na Internet, bem como em conhecer o meu primeiro livro publicado e detalhes da coleção que gradualmente estou escrevendo para publicar”, relatou.

Ele lembrou a qualidade da série de filmes de advogados, tribunais e julgamentos — especialmente os do regime do ‘common-law’ norte-americano — exibidos pela TVJ. Para Gueiros, “o que falta na TV Justiça é uma abordagem um pouco mais intensa nas audiências e julgamentos de casos importantes e rumorosos”. Segundo ele, audiências jurídicas são mais interessantes do que “os enfadonhos discursos de senadores e deputados no Congresso”.

O professor Luiz Flávio Gomes disse que a TV Justiça tem cumprido seu papel social e é “a mais nova fonte de conhecimento” para os operadores do Direito. “Creio que ela aproxima a Justiça da população porque permite que seja visto como são julgados os processos e isso é democracia”, ressaltou.

Luiz Flávio tem um programa semanal de uma hora na TV Justiça — o Espaço Ielf. A avaliação que o professor faz do canal da Justiça é positiva, apesar de uma ressalva. “Só penso que ela deveria ser aberta, facultando o acesso a todos os interessados”.

Para o juiz Fernando Moreira Gonçalves, diretor da Associação dos Juízes Federais, a gestão do ministro Marco Aurélio foi marcada pela transparência e pela ousadia. A criação da TV Justiça se inscreveu nesse contexto.

Segundo ele, a implantação da TV Justiça é um grande exemplo, “entre muitos outros”, das conquistas obtidas em favor do Poder Judiciário pelo ex-presidente do STF. “O Judiciário não é um poder alheio à realidade. Ao discutir, de maneira franca e transparente, assuntos de grande relevância, sem se esquivar da ousadia, o ministro Marco Aurélio deu uma grande contribuição para demonstrar que o juiz do século 21 não deve ter receio de prestar esclarecimentos à sociedade, por meio da imprensa, a respeito de seus posicionamentos, ao contrário do magistrado do século 19, que, amordaçado, somente podia falar nos autos”, ressaltou.

Ator principal

O ministro Marco Aurélio disse à revista Consultor Jurídico, que “apesar do elevado número de processos”, tenta otimizar o tempo para assistir a programação do canal do Judiciário. “Vejo que, a cada dia, há o aprimoramento na veiculação das matérias”, afirmou.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Médico que acumulava cinco cargos públicos é condenado por improbidade administrativa
Aposentada será indenizada em dano moral por cobrança de seguro não contratado
Distrito Federal é condenado a indenizar aluno ferido em escola pública