seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Boris Casoy não caluniou Alberto Toron no Jornal da Record

O âncora do Jornal da Record, jornalista Boris Casoy, não caluniou o advogado Alberto Toron — ex-defensor do juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto. O entendimento é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça. Para o STJ, o jornalista apenas exerceu a liberdade de imprensa ao criticar a defesa de Nicolau.

O âncora do Jornal da Record, jornalista Boris Casoy, não caluniou o advogado Alberto Toron — ex-defensor do juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto. O entendimento é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça. Para o STJ, o jornalista apenas exerceu a liberdade de imprensa ao criticar a defesa de Nicolau.

Boris afirmou em seu programa: “como eles têm bons advogados, pagos, aliás, com dinheiro rapinado de todos nós, acabam saindo ilesos”. Na seqüência do programa, apresentado em julho de 2001, Boris foi mais específico ao assinalar: “sem voz, sem grandes advogados, sem o Dr. Toron, os pobres acabam mofando nas masmorras brasileiras”. Para concluir, disse: “certamente Lalau tem um tratamento melhor do que o pequeno batedor de carteira do centro de qualquer cidade brasileira”.

Para o advogado Alberto Toron, a crítica o atingiu diretamente, até porque dedicou parte de sua vida ao atendimento de pessoas carentes. A ligação do seu trabalho aos envolvidos no TRT seria meramente profissional. Não caberia ao jornalista fazer ilações sobre as atividades do advogado. Boris foi denunciado por calúnia.

De acordo com os ministros da Sexta Turma do STJ, não houve a tipificação de crime que justifique a condenação por calúnia. A crítica também não foi desferida diretamente à pessoa do advogado Alberto Toron. Qualquer advogado naquela ocasião, de clamor público e repulsa em relação ao desvio do Fórum paulista, receberia a mesma crítica.

Boris teria dito em outro programa que Toron estava sendo pago a peso de ouro, provavelmente, com dinheiro roubado de todo o povo brasileiro. Para os ministros, não há sequer vazão para aplicar um crime de receptação, como desejava o advogado.

O relator do processo, ministro Paulo Gallotti, considerou que o jornalista fez uma constatação. “Os pobres, de fato, carece de patrocínio e não tem acesso aos melhores profissionais”, disse ele. Indiretamente, para o relator, Boris acabou por realçar a qualificação do advogado.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Médico que acumulava cinco cargos públicos é condenado por improbidade administrativa
Aposentada será indenizada em dano moral por cobrança de seguro não contratado
Distrito Federal é condenado a indenizar aluno ferido em escola pública