seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Souza Cruz e Philip Morris são condenados por juíza de SP

A Souza Cruz e a Philip Morris foram condenadas a indenizar fumantes e ex-fumantes por "omitirem informações sobre a periculosidade do fumo e veicularem propaganda enganosa e abusiva".

A Souza Cruz e a Philip Morris foram condenadas a indenizar fumantes e ex-fumantes por “omitirem informações sobre a periculosidade do fumo e veicularem propaganda enganosa e abusiva”. A decisão é da juíza Adaísa Bernardi Isaac Halpern, da 19ª Vara Cível de São Paulo.

De acordo com a Associação em Defesa da Saúde do Fumante, entidade que moveu a ação, as indenizações podem chegar a R$ 37,5 bilhões. A sentença dá prazo de 60 dias para os fabricantes mudarem a embalagem dos cigarros e informarem mais dados técnicos do produto, como composição química, precauções de uso.

A Souza Cruz vai recorrer da decisão de primeira instância. Segundo a empresa, a Adesf baseou seu pedido na alegação de que a publicidade de cigarro seria enganosa, mas não indicou qual a peça publicitária das fabricantes que estava em desacordo com a norma.

Para a Souza Cruz, as normas sobre a publicidade e a embalagem de cigarros, inclusive as advertências, são impostas pelo Poder Público, inclusive pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A empresa também afirmou que a sentença contraria o princípio constitucional da ampla defesa.

A Souza Cruz baseia sua fundamentação no fato de que os tribunais brasileiros têm rejeitado ações coletivas contra os fabricantes de cigarros.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Aposentada será indenizada em dano moral por cobrança de seguro não contratado
Distrito Federal é condenado a indenizar aluno ferido em escola pública
Imobiliária tem direito à comissão de corretagem mesmo sem fechar contrato, diz TJ-RS