seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Supremo tem decidido recursos em menos de 15 dias

O Diário de Justiça do ano, veiculado sexta-feira (19/12), mostra decisões monocráticas do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Maurício Corrêa, assinadas no dia 12 de dezembro.

O Diário de Justiça do ano, veiculado sexta-feira (19/12), mostra decisões monocráticas do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Maurício Corrêa, assinadas no dia 12 de dezembro.

Também foi publicada decisão sobre Recurso de Agravo de Instrumento (AI 487753) interposto 14 dias antes. O recurso chegou ao STF no dia 5 de dezembro; foi autuado e distribuído no dia 9, sendo solucionado por despacho monocrático do ministro Celso de Mello no dia 10.

Outro exemplo foi a decisão despachada pelo ministro Sepúlveda Pertence no Recurso Extraordinário 412303. Recebido no Tribunal em 27 de novembro, foi autuado e distribuído no dia 4 de dezembro, tendo sido decidido pelo ministro no dia 10. Foram 20 dias entre a data de chegada à Corte e a de publicação da decisão pelo DJ. A mesma edição do DJ publicou o acórdão da Extradição 859, julgada pelo plenário do Supremo em 26 de novembro.

No Agravo de Instrumento 487753, o ministro Celso de Mello despachou arquivando o recurso de um condenado por crime de homicídio qualificado que queria obter o benefício da progressão no regime de cumprimento da pena. No despacho, o ministro disse que o interessado, João Paulo Requelme Rodrigues, queria fazer subir ao STF, por meio do Agravo de Instrumento, um Recurso Extraordinário inviável, considerada a jurisprudência do STF sobre o assunto.

A Corte tem decidido que no caso de condenação por crimes considerados hediondos (Lei 8.072/90) não é admitida a possibilidade jurídica de progressão no regime penal, devendo a pena ser cumprida em regime exclusivamente fechado.

A celeridade na publicação dos acórdãos é considerável. O prazo para autuação já foi de seis meses e a demora entre a assinatura de uma decisão monocrática e sua publicação chegava a 60 dias.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Médico que acumulava cinco cargos públicos é condenado por improbidade administrativa
Aposentada será indenizada em dano moral por cobrança de seguro não contratado
Distrito Federal é condenado a indenizar aluno ferido em escola pública