seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Teatro dos Vampiros: PEC das Drogas é tentativa do Senado de antagonizar o Supremo

No final de agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) avançava no julgamento sobre descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal, ao julgar o Recurso Especial de repercussão geral que avalia a constitucionalidade do artigo 28, da Lei 11343/2006.

No final de agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) avançava no julgamento sobre descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal, ao julgar o Recurso Especial de repercussão geral que avalia a constitucionalidade do artigo 28, da Lei 11343/2006.  A maioria dos ministros se manifestaram favorável à tese de que não é crime portar entorpecentes para consumo pessoal, defendendo a fixação de critérios objetivos para diferenciar usuários de traficantes, especialmente no que se refere as pequenas quantidades de cannabis. O julgamento foi paralisado por um pedido de vistas de André Mendonça, após o voto contrário do recém-empossado Cristiano Zanin.

Em reação ao avanço do debate pela descriminalização de usuários, em setembro, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD MG), formalizou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2023 que propõe a inclusão de um novo item no artigo 5º, que trata de direitos e garantias fundamentais, dizendo que a lei considerará crime a posse e o porte, independentemente da quantidade, de entorpecentes e drogas afins sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar.

A PEC representa um mandato de criminalização, ou seja, ordens constitucionais expressas para que determinadas condutas sejam consideradas crimes. Como exemplos, há previsão constitucional para o crime de racismo, art. 5º XLII, e o próprio tráfico ilícito de entorpecentes considerado hediondo, art. 5º XLIII.

Não é por acaso que destacamos esses dois exemplos. A lei de drogas, aprovada pelo Congresso Nacional em 2006, passou a prever penas alternativas às de prisão para usuários, como medidas socioeducativas, advertência ou prestação de serviços à comunidade. E aumentou a pena mínima para tráfico, de 03 para 05 anos.

No entanto, na ausência de critérios objetivos (como quantidades) para diferenciar usuários de traficantes, o resultado foi um aumento de encarceramento em massa, especialmente de jovens, negros, com baixa escolaridade ou periféricos, inclusive muitas mulheres, presos por tráfico de drogas. Desde a criação da Lei 11.343, de 2006, a proporção de presos por tráfico saltou de 15,5% em 2007 para 25,5% em 2013, segundo o relatório da ABJ (Associação Brasileira de Jurimetria), usado como base do voto de Alexandre de Moraes no julgamento em curso no Supremo.

Assim, a política de enfrentamento às drogas atual é falha porque continua sendo aplicada por agentes públicos que julgam os presos pela cor da pele, pelo endereço e pelo nível social. Isso é o que chamam de racismo estrutural, aquele que está arraigado na sociedade brasileira de forma indelével, que aprofunda desigualdades sociais, através da injustiça institucional do Estado.

À luz das reações sociais, o projeto ganhou nova roupagem. Recentemente, o senador Efraim Filho (União PB) leu seu parecer, como relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) propondo uma pequena alteração no texto, assim revisado  “LXXX – a lei considerará crime a posse e o porte, independentemente da quantidade, de entorpecentes ou drogas afins sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, observada a distinção entre o traficante e o usuário, aplicáveis a este último penas alternativas à prisão e tratamento contra dependência”.

Mas isso já é o que determina a Lei de 2006. E a constitucionalidade do artigo 28 é justamente o que está em revisão pelo STF, desde 2011, cuja maioria agora se inclina para a determinação de critérios objetivos com quantidades balizadoras de cannabis ao menos, para diferenciar usuário de traficante, reforçando a ideia de que o porte para uso não deve ser considerado crime.

Nos parece que seria desnecessária uma PEC para dizer o que já diz a lei de 2006, sendo certo que a inclusão do mandato constitucional de criminalização do porte poderia esvaziar a eficácia do julgamento em curso no STF (RE 635659 Tema de Repercussão Geral 506). E também nos parece que se trata de mais um capítulo de enfrentamento do Legislativo e Judiciário, que se movimenta para conter os poderes do Supremo, a exemplo da recente medida que pretende restringir as decisões individuais de ministros da Corte.

Melhor faria o Congresso Nacional se analisasse, de uma vez por todas, o PL 399, que desde 2015 está em deliberação, e que regulamentará a cannabis medicinal, desde o plantio, até a industrialização e manipulação em farmácias. O projeto está parado desde 2021, quando foi obstruído por conservadores através de recurso, ainda não julgado pela Câmara dos Deputados, para que o PL possa seguir ao Senado Federal.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Espólio receberá valores da reserva especial de plano de previdência complementar
Mulher que teve apartamento roubado por falsos policiais deve ser indenizada
Ex-esposa que recebia pensão de alimentos tem direito a 50% da pensão por morte do instituidor