seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Após DNA negativo, homem garante exclusão de paternidade em certidão de nascimento de menor

Após exame de DNA com resultado negativo, um homem conseguiu na Justiça a declaração de inexistência de relação de filiação indicada na certidão de nascimento de uma menor. A decisão é da juíza Thais de Carvalho Kronemberger, da 1ª Vara dos Feitos de Relação de Consumo, Cíveis e Comerciais de Santana, na Bahia (BA).

O advogado goiano Guilherme T. Marques esclareceu no pedido que o homem, que mora em Goiânia, teve um breve relacionamento com a genitora da criança. Sendo que a mulher, ao se mudar ainda grávida para a Bahia, afirmou que ele era o pai da criança. Assim, ele registrou o bebê.

Contudo, após comentários de familiares e amigos de que a fisionomia da criança não era semelhante à dele, o homem resolveu fazer teste de DNA. O resultado do exame concluiu que ele não é o pai da criança. O advogado salientou, ainda, que embora no registro de nascimento conste o autor como pai da menor, não houve contato/afinidade suficiente entre partes capaz de criar qualquer vínculo afetivo.

“Tendo em vista a peculiar situação, este requer o deferimento do seu pedido para declarar a inexistência de filiação legítima, já que as informações e documentos prestadas por ocasião do registro não condizem com a realidade, pois o “pai registral” foi induzido a erro”, disse o advogado no pedido.

Comprovação

Ao analisar o caso, a magistrada ressaltou que o exame de DNA anexado aos autos concluiu que o requerente não é o pai biológico da requerida. Ainda que, se concluiu, por meio do laudo de estudo social, que não houve laço afetivo entre o requerente e a requerida. Além do mais, em sua contestação, a requerida manifestou concordância com o deferimento do pedido negatório de paternidade, aceitando que o autor não é o pai biológico da menor.

A magistrada explicou que é possível a desconstituição da relação de filiação, prevalecendo, no caso concreto, a confirmação de inexistência do vínculo biológico. Isso porque, à luz da modernidade tecnológica e dos avanços da ciência, a presunção de veracidade do registro público cede passo à conclusão contida na prova técnica de que o autor não é pai da ré

“Suficiente para determinar implicações na adequada relação de filiação, garantindo-se a demandada, como decorrência do seu direito de personalidade, a correção de sua identificação biológica. A anulação ou cancelamento do registro de nascimento da requerida nos limites do pedido é medida que se impõe como consequência natural do decreto de procedência do pleito negatório de paternidade”, completou a magistrada.

ROTAJURÍDICA

Foto: divulgação da Web

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Julgamento de casos de violência contra a mulher vem crescendo nos últimos anos
Imóvel do casal deve ser dividido mesmo que comprado por apenas um dos cônjuges
Detran deve indenizar motorista por atraso na emissão de CNH