seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Dono de caminhão novo com defeito receberá lucro cessante

Os desembargadores da Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) desproveram o recurso da Ford Motor Company Brasil LTDA. A empresa buscava reformar a sentença de primeira instância que a condenou a pagar indenização por lucros cessantes e a devolução do valor investido no caminhão. Segundo consta no processo, o comprador do Ford Cargo 2630 amargou prejuízos por não poder usufruir o veiculo zero quilômetro que comprou.
Já no ato da entrega do caminhão foi identificado defeito em acessório da bomba injetora, no sistema de produção de ar, nas rodas e pneus. Após isso, o veículo ainda apresentou defeitos e redução de capacidade entre os meses de julho a novembro. O dono precisou encaminhar o veículo à oficina e consequentemente deixou de arrecadar seu sustento.
Na preliminar, a defesa da Ford alegou que houve cerceamento de defesa, pois o magistrado de piso teria considerado a primeira perícia nula – pois foi realizada por profissional sem ensino superior. Todavia os desembargadores negaram a tese por unanimidade, ao entender que o detalhe do perito não possuir diploma de ensino superior não desqualifica o trabalho técnico que ele realiza. “Resta claro nos autos que a primeira perícia foi realizada por profissional renomado na região na área de mecânica de automóvel, com vasta experiência, e além disso, declarou o Juízo ser o perito de sua confiança”, ponderou a relatora do caso desembargadora, Maria Helena Garglione Póvoas.
No mérito, os desembargadores seguiram o voto divergente e consideraram que o comprador do caminhão amargou prejuízos com o veículo defeituoso. “Na aquisição de um caminhão com defeito pelo consumidor, caracteriza-se a vulnerabilidade por hipossuficiência do adquirente, ainda que a utilização seja para transporte de carga, posto que demonstrado que na relação entre as partes decorre inegável vulnerabilidade entre o consumidor e a fornecedora, aplicando-se ao caso o Código de Defesa do Consumidor, na busca do equilíbrio entre as partes”, disse a desembargadora e 1ª vogal Clarice Claudino da Silva.
Os magistrados entenderam que a volta recorrente do caminhão (zero quilômetro) à oficina – para reparos de vício do produto, impõe-se a responsabilização da fornecedora, conforme preceitua o art. 18, caput, do CDC. “Há que se reconhecer a existência dos danos materiais (perdas e danos) em razão do pagamento das despesas com consertos do veículo em virtude da demora na solução do defeito apresentado pelo veículo novo e de alto custo, adquirido pelo Autor, servindo a indenização como forma de recompensar os prejuízos sofridos”, ponderou.
Além disso, a magistrada – que pediu vista do processo – explicou que o cálculo que determinará o valor a ser indenizado por lucro cessante, deve considerar o que a parte deixou de ganhar em razão do defeito no caminhão. Segundo os autos, deve-se computar os lucros cessante a partir de 26/07/1999, quando ocorreu a primeira tentativa de conserto do vício na concessionária, até 04/11/1999, ocasião em que o comprador do veículo notificou, formalmente, a concessionária de que o veículo seria rebocado, e que antecedeu ao ajuizamento da ação originária.
Por fim a primeira vogal – que foi seguida pela maioria dos demais membros da Câmara – determinou que “o valor do dano deverá ser apurado em liquidação por arbitramento, considerando-se os seguintes aspectos: a capacidade total de carregamento de madeira compatível com o caminhão Cargo 2630; o custo de R$ 12 por metro cúbico; a média de carregamento mensal praticada em 1999, no Município de Tabaporã; o desconto o ISSQN devido na prestação de serviços de transporte, conforme alíquota exercida em Tabaporã entre julho e novembro de 1999”.
TJMT

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios
TJ/SE concede afastamento a juíza para jogar torneio de beach tennis