seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Reincidência de réu aumenta dosimetria de pena

Em decisão unânime, a 2ª Câmara Criminal negou provimento à apelação interposta por M.V. da S.C., inconformado com a sentença que o condenou à pena de 3 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, em regime inicial fechado e ao pagamento de 14 dias-multa.

Consta nos autos que no dia 5 de julho de 2013, por volta das 15h30, o apelante tentou subtrair para si, mediante emprego de violência física, coisa alheia da vitima J.P., mas não obteve êxito. O paciente possui antecedentes criminais, consistentes em três condenações por furto e outras por porte de drogas para uso próprio, que configuram maus antecedentes considerados para fins de reincidência. O magistrado em primeiro grau fixou a pena-base acima do mínimo legal em razão dos maus antecedentes.

O apelante requer a redução da pena na qual foi condenado, sob o argumento que não deve ser considerada sua reincidência para determinar o tempo de condenação.

O relator, Des. Romero Osme Dias Lopes, em seu voto explica que nos autos ficou devidamente comprovado os maus antecedentes do apelante, justificando a agravante da reincidência. “Ante ao exposto, com o parecer, nego provimento ao apelo interposto por M.V. da S.C.”, concluiu o relator.

Processo nº 0005152-44.2013.8.12.0008

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Imóvel do casal deve ser dividido mesmo que comprado por apenas um dos cônjuges
Detran deve indenizar motorista por atraso na emissão de CNH
Juizes de MS enbolsaram R$ 300 milhões ilegalmente, diz denúncia no CNJ