seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Líderes no Senado prometem votar lei de Falências e reforma do Judiciário ainda na convocação

Brasília - Os líderes dos partidos no Senado decidiram ontem que até o final da convocação extraordinária serão votados em plenário a nova Lei de Falências e os pontos consensuais da reforma do Judiciário.

Brasília – Os líderes dos partidos no Senado decidiram ontem que até o final da convocação extraordinária serão votados em plenário a nova Lei de Falências e os pontos consensuais da reforma do Judiciário. Em reunião com o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, os líderes assumiram o compromisso de votar os dois temas nas comissões já na próxima semana, para que sejam levados ao plenário na última semana da convocação. A Lei de Falências tramita na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e a reforma do Judiciário na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Segundo o líder do Governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), há cinco pontos consensuais na reforma do Judiciário: a federalização dos crimes contra Direitos Humanos; o controle externo do Poder Judiciário; a unificação dos concursos para juízes; a quarentena de três anos para que juízes aposentados voltem a atuar como advogados na área em que trabalharam como magistrados e o fortalecimento das Varas de Justiça. “Esta é uma grande aspiração da sociedade. O Senado tem que entregar a reforma do Judiciário”, disse.

O líder do PDT no Senado, Jefferson Peres (AM), garantiu que a oposição vai colaborar para aprovar os temas ainda durante a convocação. Ainda há polêmica sobre a súmula vinculante, mas o Senado ainda trabalha para votar o tema antes de 13 de fevereiro.

Outro tema que também pode ser levado à votação é a redefinição dos limites da Mata Atlântica, além das Medidas Provisórias que estão sendo aprovadas pela Câmara.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Caixa deve indenizar cliente por movimentações fraudulentas em poupança
Advogada associada não consegue vínculo de emprego com escritório de advocacia
Detran e financeira devem indenizar homem por restrição indevida em veículo