seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Diversidades da cultura

Ao concluir a leitura do livro A massai branca – livro ao qual indico – alguns pontos permearam meu inconsciente ao ponto de fomentar um debate que se exteriori

Ao concluir a leitura do livro A massai branca – livro ao qual indico – alguns pontos permearam meu inconsciente ao ponto de fomentar um debate que se exteriorizou.

O livro, em linhas gerais, aborda o encontro de uma européia, branca e loira, com um guerreiro africano, advindo de uma região no interior do Kenya.

Na ocasião, a moça abandonou o conforto de seu lar, seus amigos, suas regalias para ir atrás de um amor, até então platônico, já que o guerreiro não sabia de seus sentimentos.

A obra desenvolve sua trama de forma influente, e baseado em uma história completamente real que retrata a paixão desse novo e miscigenado casal.

Como toda história real o amor não é circundado apenas de boas e floridas noticias, vez que a autora contraiu malária mais de uma vez, hepatite, desnutrição etc. Ademais se viu numa árdua tarefa de agregar costumes diferentes de povos com realidades totalmente distintas.

Enquanto a suíça, mesmo não sendo uma pessoa de amplas posses, tinha uma casa, roupas, boa comida e uma vida estável o seu companheiro desfrutava das mesmas regalias, mas na visão de seu povo visto que sua casa era feita de madeira e o telhado, bem esse é melhor deixar para os futuros leitores, sua comida era carne de cabra e leite da mesma.

No entanto, não é este o ponto ao qual ensejou meu debate interior, essa relação produziu um fruto: uma menina, e segundo as tradições do povoado africano a circuncisão feminina era obrigatória.

Neste momento houve um choque cultural intenso tanto por parte da autora, como de leitor que vos narra.

Circuncisão feminina é uma nomenclatura não uníssona porque alguns países utilizam a denominação mutilação genital feminina.

Em Abril de 1997, numa declaração conjunta a OMS e a UNICEF definiram a MGF como todos os procedimentos envolvendo total ou parcial remoção dos genitais femininos exteriores ou outras lesões para os órgãos genitais femininos por razões culturais ou outras que não-terapêuticas.

E defiram como mutilação genital feminina os seguintes procedimentos:

I – excisão do prepúcio, com ou sem excisão de parte ou totalidade do clitóris (clitoridectomia);

II – excisão do clitóris com parcial ou total excisão dos lábios menores (excisão);

III – excisão da parte ou totalidade dos genitais externos e coser da abertura vaginal deixando apenas um pequeno orifício para permitir a passagem de urina e do fluxo menstrual (infibulação);

IV – sem classificação – inclui práticas como o piercing, inserção de substâncias corrosivas ou ervas na vagina.

As justificativas para tal procedimento são variadas:

I – psico-sexuais: a remoção do clitóris implica na proteção da castidade e assim valoriza-las perante a comunidade;

II – religiosos: são resultados da crença dos que defendem a pureza da mulher e que seus órgãos genitais contribuem negativamente para a sua formação;

III – sociológicos: são atos de iniciação e passagem para a idade adulta e inibição da libido;

IV – higiênicos: porque os órgãos genitais femininos exteriores são “sujos”.

De acordo com a tradição cultural brasileira a prática da mutilação genital feminina pode ser vista com estranheza e repulsa, afinal é uma tradição muito distante de nossa população.

Em verdade, não é o que ocorre na prática, pois entre alguns grupos indígenas da Amazônia tal procedimento é comum, e em algumas décadas atrás os Shipibo-Conibo, no Peru também seguiam esse ritual.

A mutilação genital feminina não é uma prática pouco usual, já que segundo dados estatísticos da ONU, a cliterodectomia é praticada em mais de 25 países. No Chifre de África e o Mar Vermelho, para a costa Atlântica e do Egito e Líbia no Norte para Moçambique, Angola e Malauí no Sul, no Iêmen, Arábia Saudita, Iraque, Jordan, Síria e Argélia Sulista.

Já a infibulação é praticada na Somália, Djibuti, a maioria na Etiópia, Sudão e Quênia, na Nigéria, Senegal, Gâmbia, Burquina Faso, Níger, Gana, Guiné Bissau, Guiné, Serra Leoa, Libéria, Togo, Camarões, República africana Central, Tanzânia, Chade, Burundi e Uganda.

Em pesquisas realizadas sobre o assunto me deparei com relatos de mulheres que defendem a mutilação e mostram com orgulho pequenas facas e tesouras que foram transmitidas por gerações na família, e que o desuso de tal procedimento seria uma completa afronta contra os costumes locais.

O combate contra a mutilação genital feminina existe, mas não demonstra a eficácia pretendida pelos legisladores locais.

Países como Egito, Guiné-bissau, Sudão e Portugal têm legislações especificas sobre o assunto, no entanto a conseqüência inibitória tem pouco efeito prático já que apesar dos índices serem reduzidos não foi extirpado.

Não foi realizado nesses países um trabalho de conscientização e de mudança de comportamento de forma eficaz a ponto de modificar uma cultura e uma tradição cultural perpetrada por gerações.

Neste esteio, uma questão ainda persiste: a mutilação genital feminina deve ser reprimida por não fazer parte do cotidiano das pessoas, ou como uma forma de prevenção de futuras gerações, independentemente das tradições culturais dos povos?

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Espólio receberá valores da reserva especial de plano de previdência complementar
Mulher que teve apartamento roubado por falsos policiais deve ser indenizada
Ex-esposa que recebia pensão de alimentos tem direito a 50% da pensão por morte do instituidor