Dir. Processual Penal

- Atualizado em

Ministro do STJ suspende prisão preventiva decretada sem pedido do MP

A prisão preventiva só pode ser decretada se houver pedido do Ministério Público, do querelante, do assistente de acusação ou da autoridade policial. Assim, o ministro Reynaldo Soares da Fonseca (foto), do Superior Tribunal de Justiça, suspendeu, em liminar, a prisão preventiva de um homem.

O paciente havia sido denunciado pela suposta prática de estupro. A sentença condenatória da 1ª Vara Criminal de Belford Roxo (RJ) impôs a prisão preventiva do réu. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro manteve a decisão.

A Defensoria Pública estadual, com atuação do defensor Eduardo Januário Newton, apontou que o Ministério Público em nenhum momento pediu a prisão preventiva do acusado.

O ministro relator lembrou que a lei “anticrime” vedou a decretação de prisão preventiva sem requerimento do MP. Assim, deixou de ser possível a atuação de ofício do juiz para a medida cautelar privativa de liberdade. Segundo Fonseca, o raciocínio deve ser aplicado mesmo na sentença condenatória recorrível.

HC 699.150

#prisão #preventiva #pedido #ministério #público

Foto: divulgação da Web

No Banner to display

Comentários