seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Executivo da Parmalat é encontrado morto

O ex-funcionário da Parmalat Itália Alessandro Bassi foi encontrado morto nesta sexta-feira.

O ex-funcionário da Parmalat Itália Alessandro Bassi foi encontrado morto nesta sexta-feira.

A polícia suspeita que ele tenha se suicidado, jogando-se de uma ponte na estrada Lucignana, na periferia da cidade de Parma, onde funcionava a sede do conglomerado.

Bassi, de 32 anos, era colaborador de Fausto Tonna, ex-diretor financeiro da empresa, que atualmente está fornecendo muitas informações aos investigadores na tentativa de explicar o rombo de mais de 10 bilhões de euros (R$ 35,7 bilhões) que levou à quebra da holding.

O ex-funcionário do grupo italiano, casado, com dois filhos, não estava sob investigação judicial. E não deixou nenhuma mensagem que explicasse o gesto.

Um dos juízes responsáveis pelas investigações da crise da Parmalat, Francesco Greco, disse à BBC Brasil que quer ajuda da Justiça brasileira para esclarecer o caso.

“Se a procuradoria de Parma não abrir um diálogo com a magistratura brasileira, eu o farei.”

A Justiça italiana, através dos juízes de Milão e de Parma, ainda está tentando estabelecer a verdadeira dimensão do rombo da Parmalat e suas ramificações.

Para isso, o trabalho do comissário extraordinário Enrico Bondi e de seus assistentes é fundamental.

Bondi assumiu o posto do fundador e ex-presidente da Parmalat, Calisto Tanzi, e sua tarefa agora é reestruturar a empresa.

Eles devem concluir a análise da situação financeira até o final do mês e, em fevereiro, apresentar seu plano industrial.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Aposentada será indenizada em dano moral por cobrança de seguro não contratado
Distrito Federal é condenado a indenizar aluno ferido em escola pública
Imobiliária tem direito à comissão de corretagem mesmo sem fechar contrato, diz TJ-RS