seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Deferida liminar em HC que questiona dosimetria da pena em condenação por tráfico

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, deferiu liminar para suspender os efeitos de acórdão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) que condenou L.S.P. à pena de cinco anos de reclusão, em regime fechado, por tráfico de drogas (artigo 33, caput, da Lei 11.343/2006 – Lei de Drogas). Segundo o ministro, a pena fixada e a ausência de circunstâncias judiciais desfavoráveis garantem ao réu o direito ao início do cumprimento da pena em regime diverso do fechado. A decisão foi tomada no Habeas Corpus (HC) 121860.
L.S. foi preso em flagrante em janeiro de 2010 pela posse de aproximadamente 5,9g de cocaína acondicionadas em um plástico transparente e 38 cápsulas vazias (“pinos”). Em setembro de 2012, foi condenado em primeiro grau apenas à pena de advertência, por posse de drogas para uso pessoal (artigo 28 da Lei 11.343/2006). Em recurso de apelação interposto pelo Ministério Público de São Paulo, o TJ-SP mudou a condenação para tráfico, fixando a pena em cinco anos. Em seguida, decisão monocrática do Superior Tribunal de Justiça (STJ) desproveu recurso especial interposto contra a condenação.
No habeas corpus ao STF, a defesa alega que mesmo reconhecendo que o réu era primário e de bons antecedentes, o TJ-SP não aplicou a causa de diminuição prevista no artigo 33, parágrafo 4º, da Lei de Drogas, sem fundamentação idônea, com o entendimento de que sua aplicação seria facultativa. Outro argumento trazido no HC foi o de que, com a aplicação da minorante, L.S. faria jus à aplicação do regime inicial aberto e à substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos.
Sustentando o risco iminente de seu cliente ter a liberdade cerceada, a defesa pediu liminarmente a suspensão do acórdão do TJSP e, no mérito, a aplicação da causa de diminuição no patamar de 2/3, além da fixação de regime inicial mais benéfico ao réu.
Ao decidir, o ministro Fux lembrou que a jurisprudência do STF é no sentido do não cabimento do habeas corpus impetrado contra decisão monocrática de relator de Tribunal Superior. “Contudo, em se tratando de flagrante constrangimento ilegal, o artigo 654 do Código de Processo Penal autoriza a concessão de ofício da ordem”, afirmou.
O relator destacou que a pena-base foi fixada no mínimo legal para o tipo (tráfico), e a diminuição foi vedada com o argumento de que a quantidade de droga e o material apreendido levavam à conclusão de que o condenado “já vinha desenvolvendo a atividade ilícita há algum tempo”. “Ora, à primeira vista, a quantidade de droga em poder do paciente – 5,9g de cocaína – não se mostra apta, por si só, a inviabilizar totalmente a aplicação da causa de diminuição da pena”, afirmou.
Além disso, o relator entendeu que, à primeira vista, o paciente preencheu os requisitos previstos no artigo 33, parágrafo 4º, da Lei de Drogas, “podendo a quantidade de droga servir de baliza para fixar o quantum da redução”. Ele esclareceu que as balizas utilizadas para a fixação do regime de cumprimento da pena são o tamanho da reprimenda (requisito objetivo) e as circunstâncias judiciais do artigo 59 do Código Penal (culpabilidade, antecedentes, conduta social, etc.) como requisitos subjetivos.
O ministro Fux salientou ainda que L.S. foi absolvido em primeira instância da acusação referente ao crime de tráfico de drogas, sendo condenado apenas por porte de drogas para uso próprio, e que o TJ-SP determinou a expedição de mandado de prisão, “em que pese ainda não haver transitado em julgado a sentença condenatória”. Com esses fundamentos, deferiu a liminar para suspender o acórdão da corte paulista até o julgamento definitivo do HC 121860.
CF/AD
Processos relacionados
HC 121860

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Imóvel do casal deve ser dividido mesmo que comprado por apenas um dos cônjuges
Detran deve indenizar motorista por atraso na emissão de CNH
Juizes de MS enbolsaram R$ 300 milhões ilegalmente, diz denúncia no CNJ