seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Lei que trata da expressão “se beber, não dirija” é inconstitucional

É inconstitucional a Lei Municipal nº 9.374/2013, que dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas que fabricam e comercializam bebidas alcoólicas no Município de Goiânia de incluírem nos rótulos fotografias de veículos em colisão e estatísticas de acidentes de trânsito, acompanhadas da expressão “se beber, não dirija”. A sentença foi proferida pelo juiz José Proto de Oliveira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Municipal de Goiânia, que considerou ser da União a competência para legislar sobre a matéria.

Ao analisar a ação ajuizada pela Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (A.B.B.A), José Proto concedeu a liminar por entender que está voltada para a defesa do interesse coletivo. A seu ver, é inegável que a lei municipal disciplina sobre propaganda, uma vez que especifica elementos que obrigatoriamente deverão constar nos rótulos de bebidas alcoólicas. Apesar de considerar a intenção “louvável”, já que a ideia difundida é da correlação entre direção, veículos e bebida, a iniciativa, segundo o juiz, fere frontalmente preceitos constitucionais. “Nossa Carta Magna (artigo 22, inciso XXIX) é patente ao atribuir à União a competência privativa para legislar sobre propaganda comercial, entendendo-se, por tal expressão, todo e qualquer tipo de divulgação e mídia de produtos, incluindo o rótulo e embalagem”, ressaltou.

Conforme observou o magistrado, é perfeitamente admissível a declaração de inconstitucionalidade de lei, de forma incidental pelo julgador, vez que o controle de constitucionalidade difuso é caracterizado por permitir que todo e qualquer juiz, ou tribunal, possa realizar a análise sobre a compatibilidade da norma infraconstitucional com a Constituição Federal. “Não estamos aqui questionando a validade da preocupação do Poder Público Municipal com a problemática dos acidentes de trânsito causados pela ingestão de bebidas alcoólicas e tampouco se pretende incentivar uma prática tão vilanesca. O que se tem voga é que o controle de constitucionalidade, orienta-se pela teoria da nulidade da norma inconstitucional, que atribui nulidade absoluta e ineficácia plena a qualquer lei que porventura seja incompatível com a Constituição Federal”, frisou.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Cabe ao juízo da execução penal escolher instituição que deve receber valores oriundos de ANPP
Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios