seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

TJGO aumenta indenização de cliente que teve cheque devolvido por banco

A 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) aumentou para R$ 10 mil o valor da indenização por danos morais que o Itaú Vida e Previdência S/A terá de pagar a um cliente, por ter devolvido um cheque seu, por suposta falta de provisão de fundos, mesmo ele havendo solicitado transferência de uma quantia para sua conta corrente. A decisão foi tomada em apelação cível interposta por Marcos Paulo Stival contra sentença do juízo da 5ª Vara Cível da comarca de Goiânia, que arbitrou em R$ 5 mil o valor indenizatório.

O voto foi relatado pelo pelo juiz substituto em segundo grau Frenando de Castro Mesquita, quando em substituição no TJGO. O magistrado também aumentou os honorários advocatícios sucumbenciais para o percentual 15%, fixados anteriormente em 10%.

Marcos Paulo Stival sustentou que, em 2012, realizou uma aplicação financeira em conta de previdência privada, denominada Flexprev Personnalité VGBL Master Turbo RF, com o investimento inicial de R$ 233 mil. Em 2013, solicitou à instituição financeira ré o resgate da mencionada aplicação, no valor atualizado de R$ 508 mil, sendo designada medido para cinco dias depois do pedido, para a liberação do crédito em sua conta corrente.

Segundo ele, apesar disso somente 28 dias após a data estipulada é que foi creditada a quantia concernente à aplicação financeira. Nesse meio tempo, acreditando na liberação do investimento em sua conta corrente efetuou pagamentos programados, inclusive emissão de cheque no valor de R$ 52 mil, o qual foi devolvido pelo banco, por não haver fundos para a compensação.

Por esta razão, Marcos Paulo Stival pleiteou indenização no valor de R$ 50 mil e, irresignado com o valor arbitrado no primeiro grau, interpôs a apelação cível ao argumento de que, ao fixar a indenização, “o magistrado não observou o binômio necessidade/possibilidade, principalmente pelo fato de ser a apelada uma instituição financeira de grande porte”.

Para o relator, “se a liberação dos valores aplicados pelo autor em conta de previdência Flexprev Personnalité VGBL Master Turbo RF tivesse ocorrido na data pactuada, 28 de maio de 2013, a importância constante em sua conta bancária seria mais do que suficiente para lastrear o cheque sub judice, na data de sua apresentação. Daí porque, ele analisou ser evidente a configuração do dano moral acarretado ao consumidor, bem assim como o nexo de causalidade entre o evento danoso (devolução indevida do cheque) e a conduta negligente praticada pelo recorrido, a importar no “desfalque” financeiro na conta corrente do apelante.

Quanto ao valor da indenização, Fernando de Castro Mesquita pontuou que “a majoração dos danos morais mostra-se necessária e adequada para punir, de forma eficaz, o agente infrator pela prática desidiosa, visando coibir a reincidência e mitigar o dano experimentado pelo consumidor, sem causar seu enriquecimento ilícito”. Apelação Cível nº 286733-15.2014.8.09.0051 (201492867330). (Texto: Lílian de França-Centro de Comunicação Social do TJGO)

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Cabe ao juízo da execução penal escolher instituição que deve receber valores oriundos de ANPP
Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios