seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Cai burocracia para retomada de carros de inadimplentes

Entrou em vigor na sexta-feira a nova regra para retomada de veículos inadimplentes, que vai facilitar a recuperação de bens com atraso nas parcelas de financiamento. A nova lei desburocratiza o processo, que hoje pode levar mais de um ano.

A expectativa é que o prazo caia para cerca de três meses e os bancos deixem de ser tão seletivos na hora de liberar o crédito e até mesmo reduzam os juros. Essa é a perspectiva das montadoras, para quem a restrição do crédito tem importante contribuição na queda das vendas – de 9% no ano ante igual período de 2013. Metade das vendas de veículos no Brasil é financiada.

“Esta lei é um instrumento fundamental para o setor automotivo ao premiar o cliente adimplente, possibilitando o fortalecimento do setor financeiro na concessão de crédito com a redução do custo e maior segurança jurídica”, diz Luiz Moan, presidente da Anfavea, associação que representa as montadoras.

Atualmente, além do prazo longo, recuperar um carro em inadimplência custa, de acordo com o bem e com a complexidade do processo de apreensão, entre R$ 4 mil e R$ 14 mil, segundo as financeiras. O cálculo inclui custos com advogados, quitação de multas e impostos não pagos e gastos com leiloeiro.

O setor automotivo conta com essa medida para melhorar o desempenho nesta reta final do ano e tentar chegar em dezembro com uma queda acumulada de 5% a 6%, ainda assim a maior desde 2002. A principal expectativa, contudo, é que a nova regra ajude o setor a reagir mais rapidamente em 2015.

“A partir de agora os bancos deverão aumentar o apetite por riscos novamente e devem abaixar o nível de restrições atuais”, diz Flavio Meneghetti, presidente da Fenabrave, que representa as concessionárias de veículos. “Nossa expectativa com essa adequação da legislação é que os bancos aumentem em até 20% o volume de aprovação dos contratos.”

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

TJ/SE concede afastamento a juíza para jogar torneio de beach tennis
TJPB: Desembargador Ricardo Porto mantém validade de assembleia que destituiu síndico
Seguradora deve pagar indenização a cliente que teve veículo roubado