seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Cliente é vítima de hackers e BB é condenado a pagar R$ 25 mil

O Banco do Brasil foi condenado a pagar R$ 25 mil por danos morais a Alvino Rodrigues Junior. A conta do cliente foi vítima do ataque de hackers, que realizaram vários saques. Alvino tentou resolver a situação pela via administrativa, mas o banco recusou-se a restituir imediatamente os valores debitados, o que só foi feito após 40 dias.

Segundo a decisão do juiz da Sétima Vara Cível da Comarca de Cuiabá, Yale Sabo Mendes, documentos que integram o processo comprovam que os valores foram retirados da conta de Alvino de maneira indevida. No caso dos crimes pela internet, o banco possui responsabilidade objetiva na guarda e proteção do dinheiro do cliente e, por isso, tem o dever de devolver-lhe a quantia de imediato.

“Situações como essas ocorrem diariamente nas agências bancárias e quase sempre o consumidor precisa ficar implorando uma solução para o seu problema, aliás, problema esse quase sempre criado pelo mau atendimento dos bancos”, afirma o magistrado na decisão.

Para fundamentar sua sentença, o juiz apresenta, por exemplo, jurisprudências de tribunais superiores que versam sobre o assunto e também afirma que, a efetiva proteção ao consumidor encontra ressonância no princípio geral da vulnerabilidade, que busca garantir o princípio da isonomia, dotando os mais fracos de instrumentos que lhes permitam litigar em condições de igualdade pelos seus direitos, com o objetivo de atingir a justiça social.

O prejuízo moral experimentado pelo cliente deve ser ressarcido de forma não apenas a compensar a dor e o sofrimento causados, mas especialmente deve atender às circunstâncias do caso, a partir de uma avaliação das posses do ofensor e a situação pessoal do ofendido. A reparação deve ser feita ainda com fim pedagógico, de modo a desestimular a prática de outros ilícitos semelhantes.

 

 

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios
TJ/SE concede afastamento a juíza para jogar torneio de beach tennis