seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Alienação parental: Justiça do Rio concede guarda em favor do genitor após comprovar falsa acusação

Alienação parental: Justiça do Rio concede guarda em favor do genitor após comprovar falsa acusação
No mês em que se comemora o aniversário da Lei de Alienação Parental (12.318/2010), um homem conseguiu, na Justiça do Rio de Janeiro, a guarda da filha de quem esteve afastado por cerca de um ano. O caso contou com atuação da advogada Isabela Loureiro, membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM.
A inversão de guarda com pedido de busca e apreensão considerou o descumprimento reiterado pela genitora das determinações judiciais. Uma decisão de fixação de convivência havia sido estipulada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro  – TJRJ no início de 2022.
Conforme consta no processo, a genitora já havia mudado de residência diversas vezes, até para fora do Estado, e não levava a filha com frequência à escola. Por meio de estudo psicossocial, foi comprovada a implantação de falsa memória e a necessidade de reconstrução de vínculos paterno-filiais, tendo em vista que a criança demonstrava sinais graves da alienação praticada.
Isabela explica que é necessário uma mudança na postura do Judiciário. “É preciso encorajamento para se enfrentar a violência aos vulneráveis.”
Ela acrescenta: “É preciso encorajamento para combater a polarização que tenta diminuir a dor do outro. Não podemos fechar os olhos para o que é alienação parental e para o mal que ela acarreta. Precisamos de um Judiciário firme para proteger nossas crianças sem reduzir a causa a uma questão de gênero. Todos os vulneráveis necessitam de proteção”.
Evolução normativa
Segundo a advogada, a sentença é esperada diante do cenário em que vivia a criança. Ela entende, porém, que a decisão não representa uma evolução da Lei de Alienação Parental.
“Se a legislação protetiva da infância e juventude estivesse sendo cumprida, o Judiciário já agiria para afastar a criança do ambiente logo quando houvesse demonstração de risco à integridade psíquica. Determinaria também uma avaliação multidisciplinar célere, pois o Estado deve tratar os direitos da criança e do adolescente com prioridade absoluta”, observa a especialista.
Isabela lembra que o pai foi impedido de conviver com a filha em razão de uma falsa acusação, cabalmente afastada por meio das perícias essenciais ao deslinde da causa. Ela ressalta que, apesar disso, o Estado só teve uma atuação combativa “quando toda essa violência já havia deixado suas marcas”.
“Não podemos conceber a ideia de que somente com efeitos visíveis de violência psicológica tenhamos intervenção rápida estatal. A Lei de Alienação Parental, o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (8.069/1990) e tantos outros diplomas de proteção à criança, como a recentemente aprovada Lei Henry Borel (14.344/2022), não foram criadas para tratar o dano tão somente. Foram criadas para prevenir que esses danos sejam causados”, frisa a advogada.
Em retrospectiva, Isabela conclui que foi um processo difícil, mas com êxito, “pois a criança, nesse momento, encontra-se em ambiente saudável, indo à escola e recebendo todo apoio necessário ao seu bom desenvolvimento”.
Fonte: Assessoria de Comunicação do IBDFAM
#alienação parental #pai #mãe #genitor #genitora #acusação falsa #direito #justiça
 
Foto: divulgação da Web

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Cabe ao juízo da execução penal escolher instituição que deve receber valores oriundos de ANPP
Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios