seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Kraft Foods deverá pagar plano de saúde de funcionário com poliomielite que foi aposentado por invalidez

Um auxiliar de produção que trabalhava na Kraft Foods, em Curitiba, e foi aposentado por invalidez depois de complicações causadas por poliomielite conseguiu na Justiça que a empresa mantivesse o pagamento do seu plano de saúde, que havia sido cancelado 10 meses depois da suspensão do contrato de trabalho. A decisão é dos desembargadores da Segunda Turma do TRT-PR, mantendo o entendimento da juíza Camila Campos de Almeida, da 23ª Vara de Curitiba.

O trabalhador foi admitido em abril de 2002 e começou a ter problemas de saúde seis anos depois, quando a doença, também conhecida como paralisia infantil, passou a causar dores em sua coluna cervical. O auxiliar de produção foi submetido a vários exames e inúmeras sessões de fisioterapia, mas terminou aposentado em março de 2012.

A empresa cancelou a assistência médica do funcionário por entender que não era obrigada a continuar responsável pelo pagamento do benefício, já que a doença não tinha ligação com o trabalho. O empregado, que teria de arcar com todas as despesas de seu tratamento, ajuizou ação pedindo o restabelecimento do plano de saúde, além de indenizações por danos morais e materiais.

Em sua sentença, a juíza Camila Campos de Almeida reconheceu o direito do trabalhador, determinando a devolução do benefício nos mesmos moldes anteriores à aposentadoria. Os pedidos de indenização também foram acolhidos.

“Assegura-se o direito à manutenção de plano de saúde ou de assistência médica oferecido pela empresa ao empregado, não obstante suspenso o contrato de trabalho em virtude de auxílio-doença acidentário ou de aposentadoria por invalidez”, diz o texto da sentença, mencionando a súmula 440 do TST.

Os desembargadores da Segunda Turma, que julgaram o recurso da Kraft, confirmaram o entendimento da juíza de primeiro grau. “Embora as principais obrigações do contrato de trabalho não sejam exigíveis durante o período de suspensão, especialmente a prestação de trabalho e o pagamento de salário, as demais obrigações decorrentes do vínculo de emprego, e não da prestação dos serviços, continuam existentes, como ocorre com o plano de saúde oferecido pela empregadora”, afirmaram os julgadores.

O trabalhador deverá ter o plano de saúde restabelecido e ser indenizado em R$ 20 mil por danos morais. A empresa também ficou responsável por cobrir as despesas do trabalhador com as injeções mensais que fizeram parte do seu tratamento médico de fevereiro a agosto de 2013.

Processo nº 20251-2013-088-09-00-03

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Justiça garante reabertura de prazo para posse de candidata em concurso público
Seguradora é condenada a consertar veículo de associado que não possui CNH
Empresa terá que indenizar comerciante por contaminação de cerveja