seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

STJ mantém condenação de ex-secretário de Saúde por improbidade

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) encerrou os trabalhos com a condenação de um ex-secretário municipal de Saúde por improbidade administrativa, confirmando decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público estadual, o ex-secretário teria transferido a titularidade de sua empresa para nomes de terceiros com o objetivo de burlar a norma que o impedia de participar de licitação na cidade de Toledo para fornecimento de produtos farmacêuticos e odontológicos.

O ex-secretário teria, ainda segundo a denúncia, praticado tráfico de influência para adquirir imóvel, posteriormente alugado para abrigar unidade de saúde do consórcio intermunicipal da região Oeste do Paraná.

Com base na lei de improbidade administrativa, o ex-secretário foi condenado à perda de bens no valor acrescido ilicitamente ao patrimônio, além de ter seus direitos políticos suspensos por oito anos.

Segunda Turma

A Segunda Turma do STJ manteve a condenação por improbidade administrativa do prefeito de Belo Jardim, no Estado de Pernambuco. A turma entendeu que os autos comprovam que os atos foram praticados intencionalmente e que os fatos são incontroversos.

O prefeito João Mendonça Bezerra Jatobá foi condenado por irregularidades em licitações, emissão de nota fiscal inidônea e irregularidades na aplicação de recursos públicos. Por unanimidade, a Segunda Turma acompanhou o voto da relatora, desembargadora convocada Diva Malerbi.

Quarta Turma

A Quarta turma, em análise de questão de ordem apresentada pelo ministro Luis Felipe Salomão, decidiu que não vai julgar caso envolvendo antena de celular instalada em terreno vizinho a uma escola.

A escola pede indenização por cancelamentos e perda de matrículas, além da retirada da antena. Segundo a instituição de ensino, muitos pais, com temor de possíveis danos provocados pelas ondas de celular, não matricularam os filhos.

O colegiado decidiu encaminhar o processo a uma das turmas de direito público porque, apesar de a ação indenizatória envolver duas empresas privadas, a retirada da antena vai interferir na prestação de um serviço público.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Cabe ao juízo da execução penal escolher instituição que deve receber valores oriundos de ANPP
Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora
Sócios que não provam solvência de empresa executada respondem pela dívida com bens próprios