seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

De folga, secretário da Bahia vai de carro oficial para jogo

“Posso ser acionado a qualquer momento” pelo governador, justificou ele Segundo James Correia, seria difícil chegar a estádio de outra forma; decreto veta transporte para fins particulares

JOÃO PEDRO PITOMBO
AGUIRRE TALENTO
DE SALVADOR

A Copa como ela é

O secretário de Indústria, Comércio e Mineração da Bahia, James Correia, usou um carro oficial do governo do Estado para ir com a família à Arena Fonte Nova, em Salvador, assistir ao jogo da Copa entre Bósnia e Irã.

A cena foi flagrada pela Folha nesta quarta-feira (25), cerca de uma hora antes do início do jogo, que começou por volta das 13h.

Abordado pela reportagem, o secretário afirmou que estava “de folga” e que foi ao estádio “aproveitar o jogo com a família”.

Ele vestia um agasalho e a camisa do Bahia.

Questionado sobre o uso do carro oficial, Correia disse que, mesmo de folga, estava à disposição do governador Jaques Wagner (PT) e poderia voltar ao trabalho caso fosse necessário.

“Posso ser acionado a qualquer momento. Estou à disposição”, justificou o secretário. Ele ainda ressaltou que, sem o uso do carro oficial, teria dificuldades para chegar ao estádio.

O uso do veículo para fins particulares e para o transporte de familiares vai contra um decreto do governo da Bahia que regulamenta o uso de carros oficiais.

O texto destaca que os veículos “destinam-se, exclusivamente, ao transporte de autoridades no cumprimento de suas atividades funcionais e protocolares”.

DIRCEU

Correia é o secretário do governo Wagner que, em janeiro deste ano, afirmou a um repórter que tinha falado, por telefone, com José Dirceu. Condenado pelo mensalão, o ex-ministro está preso desde novembro em regime semiaberto no complexo da Papuda, em Brasília.

Dias depois, o secretário da Bahia negou o telefonema. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público do Distrito Federal e acabou barrando a análise da permissão para Dirceu trabalhar fora da prisão –aprovada apenas nesta quarta (25) pelo Supremo tribunal Federal.

 

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Banco é condenado a ressarcir cliente vítima da “falsa central de atendimento”
STJ: Devedor de alimentos não precisa de intimação pessoal para segunda execução
Extinção da monitória por insuficiência de prova com negativa de perícia é cerceamento de defesa