seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

AGORA É CRIME EXIGIR GARANTIA PARA ATENDIMENTO EM SERVIÇO MÉDICO HOSPITALAR DE EMERGÊNCIA

Foi publicada no dia 28 de maio de 2012 (lei nº 12.653) que estabelece como crime a exigência de garantia para atendimento em serviços médico-hospitalares emergenciais, tendo sido acrescentado ao delito de omissão de socorro (artigo 135 do Código Penal), esta nova modalidade, doravante tipificada no artigo 135-A do referido Código.
Portanto, desde o último dia 28, é considerado crime tal conduta, situações nas quais os conveniados de planos de saúde, dependendo do quadro médico, só conseguem atendimento nos hospitais das redes credenciadas mediante um “cheque-caução” como garantia de pagamento, independentemente do paciente ter se apresentado como signatário de Plano de Saúde conveniado com o hospital.
A rigor, o procedimento já era expressamente proibido desde julho de 2003, quando entrou em vigor a Resolução Normativa 44 da Agência Nacional de Saúde (ANS), porém os abusos prosseguiram por diversas entidades hospitalares.
Com a nova lei sancionada, se torna evidente a ilegalidade de tal conduta em face do disposto nos artigos 196 e 197 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que elevou à condição de direito fundamental o acesso à saúde, sendo dever inerente ao Estado assegurar o cumprimento de tais preceitos.
Na mesma linha de entendimento o CDC – Código de Defesa do Consumidor (Lei 8069/90), também, já condenava a cobrança desse tipo de garantia, em seu artigo 39, por configurar prática abusiva que expõe o consumidor a desvantagem exagerada, causando desequilíbrio na relação contratual.

AGORA É CRIME EXIGIR GARANTIA PARA ATENDIMENTO EM SERVIÇO MÉDICO HOSPITALAR DE EMERGÊNCIA

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

STJ reatroage modulação da tese do ICMS-ST na base de PIS/Cofins em 6 anos
Na denunciação da lide, é possível reconvenção do denunciado contra autor ou contra denunciante
Universidade deve indenizar ex-estudante pela demora na entrega de diploma de graduação