seu conteúdo no nosso portal

Nossas redes sociais

Apologia ao Crime

Recentemente um cantor de 'Funk', de um grupo conhecido por Facção Central, foi entrevistado e cantou suas músicas cujas letras trazem mensagens como 'Te dou um

Recentemente um cantor de “Funk”, de um grupo conhecido por Facção Central, foi entrevistado e cantou suas músicas cujas letras trazem mensagens como “Te dou uma 1.40 com silenciador e mira pra você estraçalhar com o caixa da padaria, da mercadoria, drogaria”. Vale ressaltar que o Ministro da Cultura Gilberto Gil foi acusado pela ONG Mensagem Subliminar fazendo apologia ao uso de maconha no Videoclipe da Música “Kaya N”gan Daya” sob a alegação que a palavra “Kaia” é sinônimo de maconha na linguagem Rastafari.

Com esse novo mundo virtual e com a liberdade de expressarem o que pensam nos sites orkutianos e de poderem escolher em que grupos participar, foram criadas no Orkut comunidades que fazem apologia ao racismo, a xenofobia, ao nazismo também a pornografia e até mesmo ao PCC. Um exemplo disso é a jovem Suzane Von Richthofen acusada de matar seus pais que já conta com um grupo de admiradores em todos os Estados e recebe declarações de amor constantemente.

Tudo acontece, como disse o Procurador-Geral da República, Cláudio Fonteles: “O Direito Penal Brasileiro não admite a possibilidade do crime de apologia ao uso de drogas de forma subliminar sem ação dolosa ou culposa e sem conduta expressa e explícita do Sujeito”. (Proc.100.000003194/2004-81).

Vale registrar, diante destes fatos, que o art. 287 do Código Penal pune com pena de detenção de três a seis meses ou multa, o crime de apologia a fato criminoso ou apologia a autor de crime. Trata-se de um delito contra a paz pública que pode ser cometido por qualquer pessoa penalmente responsável e que no pólo passivo está a própria coletividade. O fato se consuma no momento em que o autor faz publicações a apologia e, aqui no Brasil, a lei exige que o fato seja expresso e explícito não se admitindo a presunção.

A hipótese descrita como crime não contraria o princípio da liberdade de expressão destinada a atividade intelectual ou artística assegurada no inciso IX do art.5º da Constituição Federal. Não há que se confundir, fazer arte com a conduta criminosa de exaltar, louvar, elogiar ou enaltecer o fato criminoso ou o autor do crime. Também é de considerar que “criminoso” para os fins legais é a pessoa condenada com a sentença transitado em julgado e não o agente meramente denunciado.

Para que o crime seja típico é necessário que a infração seja descrita com todas suas circunstâncias, indicando a conduta que elogia ou incentiva fato criminoso ou o autor do crime em lugar público, isto é, dirigida ou presenciada por número indeterminado de pessoas. Assim, existe o perigo concreto que resulta prejuízos a paz pública. È um crime de ação pública incondicionada que necessita ser olhado com mais rigor pelas autoridades para evitar que a violência prospere de forma galopante como está a ocorrer, sem que as providências legais sejam adotadas.

Portanto, as autoridades legalmente constituídas estão fazendo “vistas grossas” e a marginalidade ganha terreno na valorização da figura do delinqüente e da massificação da impunidade em detrimento da paz pública e do Estado de direito.È hora de se levantar do berço esplêndido.

Compartihe

OUTRAS NOTÍCIAS

Espólio receberá valores da reserva especial de plano de previdência complementar
Mulher que teve apartamento roubado por falsos policiais deve ser indenizada
Ex-esposa que recebia pensão de alimentos tem direito a 50% da pensão por morte do instituidor